sexta-feira, 1 de maio de 2015

Coaching: Como sair da zona de conforto e criar novos hábitos? - por Otávio Reis


Muitas vezes tentamos mudar algum hábito em nossas vidas. Tomamos a decisão, começamos a colocar em prática e, de repente, desanimamos e desistimos. Mas por que temos essa dificuldade? E melhor, o que fazer para contorná-la? O que o Coaching tem a nos ensinar sobre isso?

Essa dificuldade vem do fato de que nossos automatismos e nosso inconsciente nos enviam estímulos com tendência a nos manter dentro da zona de conforto. E aí teremos tendências inconscientes a sabotar a instalação de novos hábitos. Mas o que seria essa zona de conforto?

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Vivendo no presente - por Otavio Reis


Gostariamos de dedicar esse post de hoje sobre a importância de se viver no presente. Percebemos que muitas pessoas alimentam problemas ou dificuldades em suas vidas simplesmente por estarem com a cabeça focada no tempo errado.

Comecemos pelo passado. Como o próprio significado da palavra já diz, o passado já passou. Não podemos construir nele. Se ficarmos presos a velhos padrões de pensamentos ou a emoções passadas, teremos tendência a não nos libertarmos para construir uma nova realidade no presente. Pessoas presas ao passado tem maior tendência a sentir culpa, tristeza, arrependimento e a entrar em estados depressivos. Carregamos as consequências de nosso passado em nosso presente, mas somente podemos agir no presente. O que podemos fazer no presente é mudar os registros emocionais, nossas reações e atitudes quando pensamos no passado.

“Dois pesos, duas medidas” gerando incompreensões nas relações humanas - por Otavio Reis


Durante as seções de Coaching temos percebido um aspecto que, apesar de ser aparentemente natural, acaba sendo contraditório e ainda impacta negativamente a compreensão de um sobre o outro nas relações. A maioria de nós, seres humanos, no seu primeiro impulso, analisa e julga o mundo com um método “dois pesos, duas medidas”.

O ser humano está sujeito a erros quando interpreta situações e essa tendência é ainda maior quando ele faz muitas suposições. Já perceberam que as pessoas, de maneira geral, no primeiro instante, julgam a si mesmas pelas intenções, mas julgam os demais pelas interpretações de suas ações?

Life Coaching - O que é? Para quê serve? - por Otavio Reis


O Coaching pode ser caracterizado como uma técnica conduzida por um profissional, chamado coach, visando identificar o estado atual de seu cliente, chamado coachee e acompanhá-lo até que suas metas e objetivos sejam atingidos. É um processo de várias seções, mas é diferente de uma terapia, pois o foco da terapia é remediativo, já que se trabalha o passado do cliente e os eventos dolorosos que os levaram ao tratamento. No caso do Coaching o foco é generativo, onde se lida com o foco de realização das pessoas no presente para se atingir metas estabelecidas no futuro. Por vezes, quando é necessário trabalhar algum bloqueio, o Coaching ressignifica crenças limitantes e eventos passados. É um processo com foco 100% em solução trazendo aprendizagem e desenvolvimento de competências comportamentais, psicológicas e emocionais direcionado à conquista de objetivos e obtenção de resultados desejados.
Para dar alguns exemplos, citemos 3:

Coaching – Como gerenciar frustrações e insatisfações? - por Otavio Reis


Como você se sente hoje? Se você se sente maravilhosamente bem, isso é ótimo e eu desejo que você possa contagiar outras pessoas ao seu redor. Por outro lado, caso você responda “Sim” a qualquer uma das questões abaixo, esse artigo pode te interessar:

1. Você se sente um peixe fora d’água?
2. Você gostaria de quebrar as tendências e mudar o rumo da sua vida?
3. Você está frustrado com algo em sua vida?
4. Você está globalmente insatisfeito com suas coisas?

Caso você entre em um desses casos acima, o objetivo desse artigo é dar algumas dicas de Coaching para mudar o rumo das realizações para satisfatórias e positivas.

O reflexo da dualidade no diálogo interno dos Selfs (Eus): Self 1 e Self 2 - por Otavio Reis & Alan Fernandes





Já aconteceu com vocês de perceberem um diálogo interno entre uma emoção forte ou uma intuição e um pensamento lógico? Por exemplo...Você chega num lugar, vê uma pessoa que você não conhece e mesmo se ela não te atrai em nada fisicamente, você se sente impelido a falar com ela. Nesse momento uma voz interna (ou sentimento) te diz “quero conhecer essa pessoa agora!” enquanto outra voz está a te dizer “o que você está fazendo? Essa pessoa não te atrai em nada. Ele nem bate com o seu gosto pessoal. Você nem a conhece. Quem disse que ela vai ser receptiva com você?”